Tradução de legenda (TEDx): The Chocolate Connection

The chocolate connection

Nathaniel Mich | TEDxAllendaleColumbiaSchool

Hi. Thanks for coming.

And a big thank you to Allendale Columbia for facilitating this event.

It’s really an honor to be asked to participate;

I’m really excited to be here.

So I’m going to be talking today about how we use food –

specifically chocolate –

to build connections but also to create differences

between cultures and within communities.

A little bit about vocabulary before we get started, though.

Going to be using the words “cacao” and “chocolate” a lot today,

so I wanted to explain the difference.

Cacao is a plant; you can see it on the left here.

It’s a tree native to northern South America,

and we make chocolate from the seeds in these football-sized pods here.

Chocolate – and you can see a sculpture that I made a few years back –

highly processed product,

bears about as much resemblance to cacao as wine does to grapes.

So in order to explore

the connecting or the dividing power of cacao and chocolate,

we’re going to look at two moments in time,

explore how they relate to each other,

and then we’ll talk about how we can use that information

about how we choose to use our food.

So first, we’ll look at how cacao was used in Mesoamerica

during European and indigenous contact

in order to smooth out diplomacy,

resist continued contact and create a new culture.

Then, I’ll reflect on how my work as a chocolatier

and the work of artisan food producers in general

builds networks and creates communities.

And finally, we’ll see how these two elements

are components of the same continuous narrative,

and we’ll explore the glory of liminality.

A little bit of geographic context to start out with.

When I say “Mesoamerica,”

I mean a region of the world

defined primarily by Mexico and Central America.

The people who lived there when Europeans arrived

were a diverse bunch

but were connected by, among other things,

the central role that cacao and cacao beverages

played in defining their worldview and religion.

Cacao was a life-giving substance,

food of the gods

and a necessary sacrifice to keep the world going.

A lot of the stories we’ll be touching on today

come from the regions now defined by Mexico City and the Yucatan Peninsula.

I want you to imagine that you are lost, preferably in the jungle.

You’re tired, you’re hungry, you’re dehydrated.

You probably got some funky parasites going on too.

And you meet a group of strangers

with whom you can only sort of communicate through an interpreter.

And they offer you a beverage.

And this drink, to a typical Spaniard,

could land on a 16th-century edition of Fear Factor.

It’s thick, blood-red, foamy, bitter,

served in a hollowed-out gourd.

So you hesitate, right?

But the people offering it to you taste it first to show that it’s okay,

and you try it, and it’s not that bad.

Trust takes root here because of that, and real interaction can finally begin.

So this is the scene that played out

when Hernán Cortés landed on the coast of Mexico in 1519.

We see him here meeting Moctezuma, the Aztec emperor,

with his interpreter by his side.

The offering of food and drink is an act of diplomacy

that transcends cultural and linguistic barriers

because it speaks to that fundamental human experience of eating and drinking.

Conquest and conversion, though, came hard on the heels of contact,

and not everybody was interested

in using chocolate to connect to your neighbor.

For a lot of Spanish, chocolate was disgusting –

described it as a drink for pigs.

They were freaked out by its symbolic associations with blood,

and they used it to transform indigenous people into savages.

For those indigenous people, on the other hand –

let’s see, don’t know where my slide went –

but for those indigenous people, on the other hand,

cacao is a lifeline to a pre-conquest way of life.

When the Mexican Inquisition came to stamp out such idle worship,

they found the cacao anchored these pre-conquest religious rituals

through its continued use as a sacrifice.

But cultures are permeable,

and the boundaries between Spaniard and Indian

were frequently blurred.

So there are stories told in which Christ hides in the branches of a cacao tree.

There’s a monastery in Mexico with a Garden of Eden

into which a cacao tree is painted.

Spanish priests drank cacao before taking Mass,

and there’s a statue in the main cathedral in Mexico City

that became known as “Christ of the Cacao” after its most frequent offering.

So, yeah, cacao could be used as a tool for resistance

but also for knitting together,

for bridging old and new, known and unknown.

So we’re going to jump forward right now to the right here and right now.

I work at Hedonist Artisan Chocolates and Ice Cream,

and it’s the word “artisan” on which I’d like to focus –

that is, handmade.

When we consume the work of another person’s hands,

we connect directly to that person,

in the same way that Cortés’ first sips of cacao

created a visceral connection between him and the people he met.

So, a few years back, I was participating in an archaeological excavation

in a site littered with pottery shards.

But one in particular sticks in my memory.

On the outside, it patterned like fish scales,

but when I flipped it over,

I saw, preserved in the 800-year-old clay,

a thumb print.

So right there, I had this connection –

this visceral, tangible connection –

to a person who had lived centuries ago

because I could see the evidence of their hands.

And so the same connection occurs in handmade food,

where you can see the person who made it.

I think it’s that desire for connection

that draws people to craft and handmade artisan foods,

especially as we outgrow the Wonder-Bread era.

So my hands plug me into a network of people, a network of craftspeople,

whose tools are bread and wine, beer, coffee, produce, cheese,

and all those products flow into one another.

I use them in my work.

It’s a network that’s not defined by likes or tweets or statuses,

but it’s powered by that fundamental experience of making and eating food

and by the belief that that experience should be filled with joy.

So that network, then, that we create becomes the skeleton of community.

As people, like my former students here,

are drawn to the person-food-person connection.

They want to share in that,

become consumers of it and advocates for it.

So we might not offer chocolate to the gods anymore,

but we do continue to offer it to each other.

[Handmade Networks Building communities around chocolate]

[The Glory of Liminality What are these truffles?]

What connects these two episodes of chocolate history,

separated as they are by 500 years and a continent?

It’s the liminality of chocolate.

The fact that we can’t make it fit quite neatly

into one category or the other.

And we can see this from the early days,

that chocolate exists in this in-between space:

Is it Indian or is it European?

Pig food or a feast for the gods?

Is it Christian or non?

That same ambivalence continues to animate chocolate today.

So, take these truffles that I made.

I believe that the high-end handmade chocolate that is my livelihood

is a powerful force for connection and community building.

But it still can have the power to divide as well.

So these truffles –

Are they a product of the hard work and dedication

of craftspeople across this region

or a marker of class divisions based on cost and palate?

Are these a sinful, perhaps hedonistic, indulgence or a health superfood?

Celebration of local products

or the product of a global system of resource exploitation?

The answer to all of these questions, past and present, is the same:

it depends.

It depends on how we eat, buy, teach and talk about our chocolate.

It depends, therefore, on us.

Our choices matter here

because it is our choices

that give chocolate or cacao the power to divide or connect.

So that is the glory of liminality.

When something doesn’t fit neatly into one category or the other,

one path or the other,

we get to choose.

So it depends on us.

And it depends on you.

Thank you.

(Applause)

Chocolate, uma ponte entre culturas

Nathaniel Mich | TEDxAllendaleColumbiaSchool

Olá. Obrigado pela presença.

E um muito obrigado à Allendale Columbia pela organização desse evento.

É uma grande honra ter sido convidado a participar.

Estou bastante feliz por estar aqui.

O assunto que trago para vocês diz respeito a como usamos os alimentos,

mais especificamente o chocolate,

para criarmos conexões, mas também diferenças

entre culturas e dentro das comunidades.

Mas, antes de começarmos, aqui vão algumas dicas de vocabulário.

Utilizarei, com frequência, as palavras “cacau” e “chocolate” no dia de hoje.

Por isso, eu gostaria de explicar a diferença.

O cacau é uma planta. Você pode vê-la aqui à esquerda.

É uma árvore nativa da região norte da América do Sul.

E fazemos o chocolate a partir das sementes extraídas

dessas cabaças do tamanho de uma bola de rugby.

O chocolate – e você pode verificar uma escultura que fiz alguns anos atrás –

é um produto altamente processado,

e guarda tanta semelhança com o cacau quanto o vinho com as uvas.

Então, para entendermos

o poder de conexão ou divisão do cacau e do chocolate,

vamos analisar dois momentos no tempo,

compreender como se relacionam, e então falaremos a respeito

de como podemos nos valer dessas informações

para decidirmos como usar nossos alimentos.

Primeiro, vamos ver como o cacau foi utilizado na Mesoamérica

durante o contato entre europeus e ameríndios,

a fim de tornar as relações mais amistosas,

resistir ao contato contínuo e criar uma nova cultura.

Daí, vou refletir sobre como meu trabalho como chocolatier

e o trabalho de produtores artesanais de alimentos em geral

constrói redes e cria comunidades.

E, finalmente, veremos como esses dois elementos

são partes integrantes de uma mesma narrativa contínua,

e vamos explorar a glória da liminaridade.

Para começar, um pouco de contexto geográfico.

Quando digo “Mesoamérica”, refiro-me à uma região do globo

que inclui, sobretudo, o México e a América Central.

Os povos que lá habitavam quando os europeus chegaram

pertenciam a grupos étnicos diversos.

Porém, estavam conectados, dentre outros,

pela influência fundamental exercida pelo cacau e as bebidas de cacau

na formação de sua visão de mundo e religião.

O cacau era uma substância vital,

alimento dos deuses

e um sacrifício necessário para manter o mundo funcionando.

Então, muitas das histórias que vamos abordar hoje

provêm das regiões hoje conhecidas

como Cidade do México e Península de Iucatã.

Quero que você imagine que está perdido, de preferência na selva.

Você está cansado, com fome e desidratado.

Provavelmente está tendo problemas com alguns parasitas bem bizarros.

Aí você encontra um grupo de gente estranha

com o qual você só pode se comunicar através de um intérprete.

E eles te oferecem uma bebida.

Provar dessa bebida, para um típico espanhol,

equivalia a participar de uma versão do MTV Fear Factor do século 16.

É espessa, vermelho-sangue, espumosa, amarga

e servida em uma cabaça oca.

Você hesitaria, certo?

Mas as pessoas que oferecem a bebida a você

tomam um gole e mostram que é seguro ingeri-la.

Você a prova. Não é tão ruim.

A confiança nasce por conta disso e uma verdadeira troca pode ter início.

Essa foi a cena que aconteceu

quando Hernán Cortés desembarcou na costa do México em 1519.

Nós o vemos encontrando Moctezuma, o imperador asteca,

com seu intérprete ao lado.

O oferecimento de comida e bebida é um ato de diplomacia,

que transcende as barreiras culturais e linguísticas,

pois remete à fundamental experiência humana de comer e beber.

Conquista e conversão, entretanto, vieram na esteira do contato

e nem todos estavam interessados em utilizar o chocolate

para estabelecer contato com os vizinhos.

Para a maioria dos espanhóis, o chocolate era repugnante

e descrito como uma bebida para porcos.

Eles o temiam por causa de suas associações simbólicas com sangue,

e eles o usaram para transformar povos indígenas em selvagens.

Para aqueles povos indígenas, por outro lado, –

vamos ver, não sei onde foi parar meu slide –

mas para aqueles povos indígenas, por outro lado,

o cacau era uma tábua de salvação no contexto do modo de vida pré-conquista.

Quando a Inquisição Mexicana veio para pôr fim à adoração de ídolos,

eles descobriram que o cacau era a base desses rituais religiosos pré-conquista

através do seu uso contínuo como sacrifício.

Mas culturas são permeáveis,

e os limites entre espanhóis e indígenas

tornaram-se, frequentemente, imprecisos.

Então, contam-se histórias de Cristo se ocultando

entre os ramos de um cacaueiro.

Em um mosteiro no México, há um painel do Jardim do Éden

onde a árvore de cacau está representada.

Padres espanhóis bebiam cacau antes de rezar a missa.

E há uma estátua

na Catedral Metropolitana da Cidade do México

que ficou conhecida como “Cristo do Cacau” devido às suas frequentes oferendas.

Então, sim, o cacau podia ser usado como instrumento de resistência,

mas também para harmonizar relações,

para unir o velho e o novo, o conhecido e o desconhecido.

Agora, vamos dar um salto à frente para o aqui e agora.

Eu trabalho na “Hedonist Artisan Chocolates and Ice Cream”

e é na palavra “artesanal” que eu gostaria de focar,

ou seja, feito à mão.

Quando consumimos o produto elaborado pelas mãos de outra pessoa,

nos conectamos diretamente a ela,

da mesma forma que os primeiros goles de cacau dados por Cortés

criaram uma conexão visceral entre ele e aquele povo.

Alguns anos atrás, participei de uma escavação arqueológica

em um sítio repleto de cacos de cerâmica.

Mas um, em particular, não me sai da memória.

Por fora, tinha um padrão de escamas de peixe

mas quando o virei,

eu vi, preservado na argila de 800 anos,

a impressão digital de um polegar.

Foi nesse momento que eu senti a conexão –

aquela conexão visceral e tangível –

com uma pessoa que viveu séculos atrás,

porque eu pude ver o vestígio deixado por suas mãos.

E o mesmo tipo de conexão ocorre com a comida feita à mão,

onde você pode encontrar os vestígios deixados por quem a preparou.

Eu acho que é esse desejo por conexão

que leva as pessoas a criarem e produzirem alimentos artesanais,

principalmente à medida que superamos a era dos alimentos genéricos.

Então, minhas mãos me conectaram a uma rede de pessoas,

uma rede de artesãos, cujas ferramentas são o pão e o vinho,

a cerveja, o café, os hortifrutigranjeiros, o queijo,

e todos esses produtos combinam-se entre si.

Eu os utilizo no meu trabalho.

Essa rede não é definida pelas curtidas ou tuítes ou status;

ela é impulsionada pela experiência fundamental

do preparo e consumo de alimentos e pela crença de que essa experiência

deve ser prazerosa.

Então, essa rede que criamos torna-se a base de uma comunidade.

À medida que as pessoas, como meus ex-alunos aqui,

são atraídas pela proposta pessoa-comida-pessoa,

elas querem compartilhá-la,

se tornar consumidoras, advogar a causa.

Então, apesar de não mais oferecermos chocolate aos deuses,

continuamos a oferecê-lo uns aos outros.

[Redes de artesãos construindo comunidades em torno do chocolate]

[A glória da liminaridade
O que são essas trufas?]

O que conecta esses dois capítulos da história do chocolate,

separados que estão por um lapso temporal de 500 anos e um continente?

É a liminaridade do chocolate.

O fato de não conseguirmos encaixá-lo perfeitamente

em uma única categoria.

Podemos perceber, desde o princípio,

que o chocolate existe numa espécie de espaço intermediário.

Ele é indígena ou europeu?

Comida de porcos ou banquete dos deuses?

É cristão ou não?

Essa mesma ambivalência do chocolate perdura até hoje.

Deem uma olhada nessas trufas feitas por mim.

Acredito que o chocolate artesanal de alta qualidade, que é o meu ganha-pão,

seja uma poderosa força no processo de construir e conectar comunidades.

Por outro lado, ainda guarda o poder de provocar divisões.

Então, essas trufas

seriam o resultado de um trabalho incansável

e da dedicação de artesãos nessa região,

ou um marcador de divisões de classe que se baseia no custo e paladar?

Seriam uma condescendência pecaminosa, talvez hedonística,

ou um saudável superalimento?

Promoção de produtos locais

ou produto de um sistema global de exploração de recursos?

A resposta para essas perguntas, passadas e presentes, é a mesma:

depende.

Depende de como consumimos, compramos, ensinamos e falamos

sobre o nosso chocolate.

Depende, portanto, de nós.

Nossas escolhas importam,

porque são elas

que dão ao chocolate ou ao cacau o poder de dividir ou conectar.

Essa é a glória da liminaridade.

Quando algo não se encaixa perfeitamente dentro de uma única categoria,

uma única via,

temos de escolher.

Portanto, essa escolha depende da gente,

e depende de cada um de vocês.

Obrigado.

(Aplausos)

Original English video available here.

Vídeo original em inglês disponível aqui.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s