TRADUÇÃO: Translating for Journalism

Translating for Journalism

By Sarah-Claire Jordan, Alpha Omega Translations

We don’t often think very much about how translation and the news are related, even though we get to hear about what is going on all over the world.

More often than not, what we do hear in terms of translation is when a translation goes horribly wrong, and even then, it usually isn’t a top news story. Translating for journalism is a rather niche career choice, oddly enough, for a number of reasons.

First of all, many times a journalist who is assigned to a certain country or region has to have at least some level of competence in the language spoken there, if it isn’t their native language. Some journalists have the advantage of already knowing the language quite well, be it from growing up in a family that speaks it, or from studying it or living abroad. Others, however, will need an interpreter to guide them along when interviewing locals about a topic.

In terms of research, the same journalists who are competent in whatever language is spoken where they work should be fine working with material in that language. Those who aren’t, however, sometimes rely on roughly translated summaries, which aren’t always accurate. This can lead to huge issues like misrepresentation of a story or even providing false information. If the budget allows it, these journalists should consider working with a translator who specializes in translating for journalism.

Working with a translator who specializes in journalism is a way to save time and money in the end, for journalists who need the extra help to get their work done properly. If they rely on machine translation or a translation done by an amateur, they could make big enough mistakes to lose their job. They aren’t expected to be fluent or bilingual, but they are expected to hold their work up to the same journalistic standards as someone who covers their home country.

Machine translation cannot handle the complicated cultural context journalists often have to figure out, and an inexperienced translator might miss subtle things that an experienced translator would pick up on immediately and know how to handle. Sure, many journalists have to work within certain time constraints and might even work freelance, but if they want to be successful, they need to look to the translation industry for help.

Journalists who are salaried should consider bringing up the issue of working with translators. Most news publication companies have the budget to fly their journalists all over the world, put them up in hotels, and even pay for taxis when needed, so for them to claim they can’t afford to work with a translation company, something practically guaranteed to improve their overseas stories, is ridiculous. Every company at this point in time, regardless of what industry they belong to, should be working with translators. If that company works with global news stories, it should be one of their top priorities to make sure their journalists are doing everything they can to cover a story accurately.

Traduzindo para jornalismo

Por Sarah-Claire Jordan, Alpha Omega Translations

Não pensamos com grande frequência sobre como a tradução e as notícias estão relacionadas, muito embora possamos ter acesso à informações acerca do que está acontecendo em todo o mundo.

Na maioria das vezes, as notícias que repercutem em termos de tradução são aquelas que continham erros grotescos e, ainda assim, normalmente não são manchetes de jornal. Por incrível que pareça, a tradução na área jornalística implica a escolha de uma carreira de nicho por uma série de razões. 

Em primeiro lugar, muitas vezes os jornalistas que são enviados para um outro país ou região têm de ter, pelo menos, um certo domínio da língua falada no local, caso essa não seja a sua língua nativa. Alguns jornalistas têm a vantagem de já conhecê-la bastante bem, seja por terem crescido em uma família que a fala, seja por estudá-la ou morar no exterior. Outros, no entanto, precisarão de um intérprete para orientá-los ao entrevistar os moradores locais.

No que tange a pesquisa, os mesmos jornalistas que são proficientes em qualquer que seja o idioma do local para onde foram enviados, não terão problemas em trabalhar com material nessa língua. No entanto, aqueles que não o são, às vezes só podem contar com resumos traduzidos de forma aproximada, e que nem sempre são precisos. Isso pode acarretar grandes problemas, desde a deturpação de uma história até o fornecimento de informações falsas. Se o orçamento permitir, esses jornalistas devem pensar em trabalhar com um tradutor especializado em tradução jornalística.

Em última análise, uma forma de economizar tempo e dinheiro é investir em um tradutor especializado em tradução jornalística para auxiliar os jornalistas que precisam de ajuda extra para realizar um bom trabalho. Se confiarem na tradução automática ou em uma tradução feita por um amador, podem cometer erros grandes o bastante para lhes custar o emprego. Não se espera que esses profissionais sejam fluentes ou bilíngues, mas devem manter o trabalho que realizam dentro dos mesmos padrões jornalísticos de alguém que cobre o próprio país de origem.

A tradução automática não consegue dar conta dos complexos contextos culturais que os jornalistas muitas vezes têm de investigar, e um tradutor inexperiente pode perder sutilezas que um tradutor experiente perceberia imediatamente e saberia como lidar. Sem dúvida, muitos jornalistas precisam trabalhar com algumas restrições de prazo, e podem até ser freelancers, mas se quiserem ter sucesso, precisam buscar ajuda na indústria de tradução.

Jornalistas assalariados deveriam considerar trazer à tona a questão do trabalho com tradutores. A maioria das empresas de publicação de notícias dispõe de verbas para enviar seus jornalistas para todas as partes do mundo, hospedá-los em hotéis e até mesmo pagar táxis quando necessário. Portanto, afirmar que não podem investir na contratação dos serviços de uma empresa de tradução, algo que praticamente garante uma melhor qualidade de suas matérias no exterior, é absurdo. A essa altura, todas as empresas, independentemente do setor a que pertençam, deveriam estar trabalhando com tradutores. E se realizam coberturas internacionais, uma de suas maiores prioridades deveria ser a de certificar-se de que seus jornalistas estão fazendo tudo o que podem para cobrir uma história de forma precisa.

Original English article available here.

Artigo original em inglês disponível aqui.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s